segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Mais um Ano




Hoje, 31 de Dezembro de 2012, marca o fim de mais um ciclo: é o último dia do calendário que, na sua maioria, o Ocidente segue, o calendário solar.

Para poucos é só mais um dia, para muitos é dia de boas vindas ao pequeno 2013 que nasce. De qualquer das formas não podemos deixar passar a data sem desejar um novo ciclo Pleno de Tudo: o coração de Amor, a mente de Luz, a Estrela da Força, da Coragem e da Beleza brilhe acima da cabeça de cada um, guiando e protegendo, o Corpo seja liberto e irradie Harmonia e bem-estar numa conjunção perfeita da obra-prima que é. Que os perfumes de rosa e de jardim exalem à volta de cada um e o arco-íris brilhe em céu azul profundo, indicando o Caminho.

Que a Vida seja Louvor e Evocação!

Para aqueles que seguem as Lunações, usufruindo do fluxo do Sol, marcamos esta data com a Graça da Mãe do Mundo, que Ela proteja e acolha em Seu coração cada filho seu.

Que sejam felizes!


sábado, 29 de dezembro de 2012

Fernando Pessoa on-line

(Pintura: Simon)
Os livros da Biblioteca Particular de Fernando Pessoa estão disponíveis gratuitamente online desde ontem à tarde no site da Casa Fernando Pessoa.


Até agora, só uma visita à Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, permitia consultar este acervo que é "riquíssimo", mas com o site, bilingue (português e inglês), e disponível em :


Com uma ligação à Internet é possível consultar, página a página, os cerca de 1140 volumes da biblioteca, mais as anotações incluindo poemas - que Fernando Pessoa foi fazendo nas páginas dos livros.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Coisas a desejar neste ... Natal

video
(Imagine - Glee)


Caminha placidamente por entre o ruído e a pressa, e lembra-te da paz que existe no silêncio. Tenta, na medida do possível, estar de bem com todos.

Exprime a tua verdade com tranquilidade e clareza. Escuta quem te rodeia, inclusive as pessoas desinteressantes e incultas; também elas têm uma história para contar.

Evita gente conflituosa e agressiva que tanto mal faz ao espírito. Se te comparares com os outros poderás tornar-te amargo ou arrogante, pois haverá sempre alguém melhor e pior que tu.

Regozija-te com as tuas conquistas e os teus projectos. Mantém vivo o interesse pela tua carreira por mais humilde que seja; é um verdadeiro bem, nesta época de constante mudança.

Sê prudente nos teus negócios – o mundo está cheio de armadilhas. Mas não feches os olhos à virtude que existe em teu redor, nem às pessoas que defendem os seus ideais e lutam por valores mais altos – a vida está cheia de heroísmo.

Sê tu próprio. Acima de tudo, não sejas falso, nem cínico em relação ao amor que, face a tanta aridez e desencanto, se mantém perene como uma haste de erva.

Aceita com serenidade a passagem do tempo, sabendo deixar graciosamente para trás as coisas da juventude.

Cultiva a força de espírito, para te protegeres de azares inesperados. Mas não te atormentes a imaginar o pior. Muitos medos nascem do cansaço e da solidão.

Mantém uma autodisciplina saudável mas sê benevolente contigo mesmo. És um filho do Universo, como as árvores e as estrelas. Tens todo o direito ao teu lugar no mundo. Poderá não ser claro para ti, mas a verdade é que o Universo está a evoluir como previsto.

 É importante, assim, que estejas em paz com Deus, seja qual for a tua concepção d’Ele, e em paz com a tua alma, sejam quais forem os teus anseios e aspirações no ruidoso tumulto da vida. Apesar de todos os enganos, dificuldades e desilusões, vivemos num mundo bonito.

Alegra-te. Luta pela tua felicidade.




Desiderata, 1927,  Max Hermann

(Enviado por Maria João Gonçalves)

domingo, 23 de dezembro de 2012

BOAS FESTAS





O pessoal de Amarante deseja um Santo Natal e umas excelentes entradas em 2013 a todo o mundo.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

A Mãe que Glorifica



Segundo a crença índia, em que o respeito pela Terra e pela Vida era parte crucial, o calendário não era calculado à volta do Sol, mas sim pela Lua.

A Lua é, na maioria das mitologias, a Mãe. Não é por ela que as noites são iluminadas, e que o Sol brilha indirectamente? Não é a Lua que controla as marés, a respiração da Terra? Os antigos sabiam bem semear segundo a Lua e colher na altura certa. O tempo de gravidez era contado pela Lua.... E muito mais!

O mês de Dezembro corresponde de forma aproximada, pelo calendário índio, à décima segunda lunação. Cultuavam a Mãe que Glorifica.

São vários os ensinamentos.

Ela ensina a partilhar a abundância como forma de manter a prosperidade, pois é também a Mãe da Abundância: o valor do dar é tão grande como o do receber. Devemos agradecer tanto aquilo que somos capazes de abandonar ou de nos desapegarmos como os dons que recebemos.

Assim se cria o ciclo do dar e receber permitindo a partilha.

Ensina também que os pensamentos negativos atraem magneticamente lições de vida difíceis: a negatividade rouba-nos a alegria. Deve ser transformada para desbloquear o que a experiência nos traz.

A agradecer a verdade que se revela na nossa vida e nos permite atitudes justas, que permite a cura e abre novos caminhos.

É através do louvor que os Filhos da Terra descobrem o que têm de melhor na sua natureza. Quando celebramos quem somos e damos graças pela vida que temos, abrimos o coração. A verdade que encontramos em cada experiência da nossa evolução espiritual marca um avanço no Caminho pessoal da Paz.

Dar graças por cada um dos nossos passos e encorajar os outros pelo louvor. Ao agradecermos o que eles realizam permite-nos prosseguir o movimento da humanidade para a sua “Unidade”.



Obrigada, Mãe, por me ensinares
A elevar o meu coração pelo louvor
Enchendo o meu espírito de alegria
Graças aos ensinamentos do Caminho da Beleza.

Ensinaste-me como cantar,
A regozijar-me, dançar e tocar tambor,
E como exprimir a minha gratidão
Pela abundância que virá.

Mostraste-me a magia
De uma mudança no espírito e no coração,
Uma atitude feita de sabedoria
Dada pela celebração da vida.

Eu canto a verdade do meu reconhecimento
Quando saúdo o Grande Pai Sol
E envio-te o meu amor à Terra Mãe
Pela força de vida que nos une.

                                                                                   Poema de Jamie Sams


quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Continuando em poesia...

video



Dizem que os poetas são os tecedores de céu,
Tricotam as palavras como flores
Deixando atrás de si mares de perfumes

Pintam os momentos
Com cores da alma
Retratos do que são e nos deixam em memória.

Cantam músicas de sons
Que por magia se juntam etéricos ou infernais
Num enlace perene, dança infinda

Como gostava de ser poeta,
Deixar rosas pelo caminho,
Perfumes de encantos quentes e exóticos,
Mares e memórias de fantasias de céus.

Pintar a alma com cânticos dos cânticos,
Som das esferas primordiais.
Palavras não ditas nem escritas...
Apenas, Ser Poeta!


(Video: O mar e tu, Dulce Pontes e Andrea Bocelli)

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Apontamentos de um Poeta...



A vida traz-nos também momentos felizes…
Por muita tristeza ou dor, que nos invada o coração, sentindo o sofrimento que grassa à nossa volta em tantos que revelam o seu íntimo da vida que lhes parece madrasta, sempre encontramos ocasiões especiais que nos preenchem e extasiam.
E naquilo como aqui, quem não tem momentos desses, captados pelos seus sentidos em locais e circunstâncias tão diferenciados?
Podem acontecer no convívio da família ou com amigos, na natureza, no teatro ou na dança, na obra do que se faz ou na beleza de um música… e sempre que o prazer aconteça…

Experimentamos desta vez ir ao encontro para  ouvir um poeta…
O poeta que é capaz de ver pela primeira vez o que de tanto visto ninguém vê.

Em que o seu acto poético pode ainda ser um instrumento de libertação do Homem, pela falta de “pão”, amor e justiça.

Que não se acomoda, nem se resigna, rompendo com a imbecibilidade e inércia, lançando “novas mensagens no tempo” com uma humildade e sinceridade tocantes.

Que o destino somos nós que o fazemos, e que nascer pobre não é uma fatalidade, face ao egoísmo e ganância da sociedade materialista que nos tem conduzido, impedindo o direito à felicidade… assim se exprime o poeta..

O poeta que procura reflectir sobre tantas coisas boas e menos boas que acontecem na vida, e sempre vale a pena viver, com coragem para resolver os nossos problemas e tantas vezes os problemas dos outros.

Só quer que cada leitor entenda as suas mensagens e todos fossem mais felizes…o poeta é apenas um instrumento para contrariar a maldade dos homens.

Que é preciso reavivar a comunicação entre as pessoas, e acrescentar o encanto do encontro pessoal com o LIVRO. “Os olhos também falam”. É preciso descobrir no olhar, sentimentos, tantas vezes vazios nas palavras.
…Nem só de pão vive o homem… e para aqueles que devem receber um pão, é preferível dar-lhes metade e outra parte de cultura, porque de certeza se continuarem no mesmo estado, vai permanecer a necessidade do pão da caridade, ou pior da piedade.

Sou feito dos livros que li e cresço nos livros que vou lendo… diz.
O livro pode não transformar o mundo, mas com toda a certeza pode mudar a vida do leitor…

 A obra já não é só minha. É do mundo…afirma!
“Escrevo a minha história, a minha ilusão, a minha aventura ou imaginação” !

Num mundo  cada vez mais desumanizado… o poeta e escritor lançou o livro “Encontro de Vidas”, desta vez um romance que apresentou, desenvolvendo os grandes temas da vida.
E esta, como toda a obra que constrói, é realizada com as pessoas e para as pessoas.

Dou ao mundo a minha vontade de vencer… O meu querer. Diz o poeta !
Não posso ficar calado, vendo a miséria que revolta, sinto a ganância que me choca.
Quero ser igual em todos os dias, para que saibam quem sou !
Quero dedicar meus poemas aos que sofrem as injustiças daqueles que ainda não entenderam que, ninguém conseguirá a felicidade enquanto produzir a tristeza no seu semelhante.

Posso dizer-vos que me preocupa o caminhar apressado das pessoas, sem tempo para pensarem. Todos caminham sem tempo para nada. A vontade de chegar, sem saber onde, na usura de tudo, que atropela e esmaga a esperança de viver.

E as crianças, que a sorte não privilegiou ao nascer, são apanhadas pela velocidade do tempo, na dor, na fome, na desgraça e na indiferença de quem passa.
A sociedade humilha as crianças e faz as pessoas que depois detesta.
Então o POETA, inconformado, grita na esperança que o mundo o ouça. ”Usadas porquê?” As crianças são o melhor do mundo…

Eu não sei, por quanto tempo o mundo vai continuar a praticar tanta injustiça.

Dou de mim tudo o que tenho, tudo o que sou…mas dou ….diz

E nós aqui vimos dar-vos o que ouvi e como senti…e deixar-vos um poema que nos legou:

Mensagem no Tempo

Mensagem no tempo
no tempo que fica,
em tempo de lamento de vida maldita.
Conversa mais conversa, palavras que o tempo apaga
promessa em promessa que conduz a nada!
Alertas que alertam opiniões gerais
para males que afectam classes sociais.
E o mundo continua alheio à sua dor
avança e recua inerte,
há muito que promete,
mas fá-lo sem amor!
Mensagem no tempo,
que o vento espalha no horizonte,
não fiques suspensa no espaço
vence montanhas, corta barreiras,
cerra fileiras, mas leva pra longe o meu abraço.
Mensagem no tempo
em tempo constante,
leva distante meu pensamento,
rasga as entranhas para vencer
e cala pra sempre meu triste lamento!
Se minhas palavras o mundo mudar
e morte causar à razão da pena
feliz vou partir quando a hora chegar
de minh’alma deixar a vida terrena.

Nota
Do encontro com o poeta escritor de Guimarães, Angelino Pereira (vide NetResenhado


Armando Guedes

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

A Dor...




O panorama da vida raramente é plano .

A dor aparece sem ser convidada, colocando montanhas no nosso caminho.

A dor implica mudança, e a mudança implica desafio. Contudo, as montanhas podem ser escaladas e os desafios podem ser enfrentados.

Cada um de nós é a obra- prima de um Criador amoroso, constituindo uma Integração extraordinária de mente e corpo, espírito e emoções. Quando uma ou mais dessas partes entram em desequilíbrio, a dor actua como aviso advertindo-nos de que temos que reagir.

Os desafios do sofrimento não oferecem soluções instantâneas. Oferece isso sim doces reflexões sobre como seguir qualquer percurso desde a dor até à cura. Este é um processo que não deve ser percorrido sozinho. Há coisas que se podem fazer para facilitar a caminhada. 

Há bênçãos que devem ser reconhecidas ao longo do trajecto.

Anne Fone

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Levantar o véu... criticar!!!???


Muitos foram os comentários recebi, tanto por escrito como por voz, ao texto "Criticar!!!???".

Então, vamos lá assentar alguns pontos, se tiverem a paciência para ouvir:

De forma alguma este texto se destina a alguém que por hábito, por espontaneidade, por opinião pessoal, ou outro motivo constructivo, faça uma crítica. Como está dito no texto abaixo," este é um espaço aberto em que a partilha espontânea é soberana".  

Acredito na construção feita de ideias diferentes, que nos fazem reflectir, acredito na troca de opiniões que forçosamente serão diferentes, uma troca franca e visando a reflexão.

Acredito na crítica lançada com o objectivo de melhorar uma situação anteriormente defeituosa.

Acredito na crítica que vem lá do fundo da alma quando se toca em cordas sensíveis cuja música desconhecida sempre foi apelidada de proibida e satânica. 

Acredito na crítica de quem tem dúvidas ardentes e que queimam o peito, transformadas em grito de interrogações.

Acredito na crítica, naquela que tem a coragem de ir contra o estabelecido, de falar quando todos se calam, de exprimir o que outros não têm coragem, não por medo de represálias mas antes por medo do não-amor.

Não é objectivo o julgar quem crítica ou criticou. Aceito todas as críticas, mas - há sempre um mas - doi-me quando essa crítica visa alimentar vaidades, manipular sentimentos, impedir a expressão livre de quem dá o passo ainda hesitante para o desconhecido, para a partilha, a expressão de algo que começa a tomar forma. 

Como foi afirmado, entre nós temos pessoas de MUITO valor, com ideias dignas de serem partilhadas. No entanto, fecham-se, retraem-se... Deixem que a vossa criança da Beleza brinque com a Vida, pintando telas de palavras coloridas, escrevendo contos de maravilhoso, por palavras-flores, sem receio de serem extirpadas. A semente em cada um é um manancial infinito de potencialidades. Vamos lançá-la em boa terra.

Deixem-me apenas dizer - o texto já vai longo - que a crítica pode ser a pedra mais importante na construção. É por ela que vamos avançando, reflectindo, conhecendo. Não temam ser criticados, mesmo que essas palavras sejam injustas no nosso avaliar: elas podem ser os motores potentes que nos fazem voar.

Só mais uma coisinha: nunca percam a espontaneidade de criticar, essa opinião que vem lá do fundo, vestida de cores luminosas para que o nosso mundo seja um arco-iris. É preciso mudar!




quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Iniciação

(Farol de Saturno - Mestre Lima de Freitas)


@

Não dormes sob os ciprestes,
Pois não há sono no mundo.
....................................................
O corpo é a sombra das vestes
Que encobrem teu ser profundo.
                  Vem a noite, que é a morte,
                  E a sombra acabou sem ser.
             Vais na noite só recorte,
         Igual a ti sem querer.
Mas na Estalagem do Assombro 

Tiram-te os Anjos a capa. 

Segues sem capa no ombro, 

Com o pouco que te tapa.
                  Então Arcanjos da Estrada 

                   Despem-te e deixam-te nu. 

                          Não tens vestes, não tens nada : 

                    Tens só teu corpo, que és tu.
Por fim, na funda caverna, 

Os Deuses despem-te mais. 

Teu corpo cessa, alma externa, 

Mas vês que são teus iguais. 

.................................................... 

A sombra das tuas vestes 

Ficou entre nós na Sorte. 

Não 'stás morto, entre ciprestes. 

....................................................

Neófito, não há morte.


Fernando Pessoa

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Criticar.....!!!???

video



A vida é feita de movimentos, uns à volta do nosso próprio umbigo, outros à volta do que consideramos ser os nossos ideais.


Ontem recebi uma crítica sobre o facto de ter feito um comentário agradável e grato a um texto do nosso blog. Diziam que só fazia comentários e agradecia a alguns, deixando de lado outros. Não é a primeira vez que recebo admoestações deste tipo. Concordo que talvez seja "injusto" um comentário a um texto e não o fazer a todos. No entanto, se comentasse cada texto tornar-se-ia fastidioso e um hábito rotineiro, tanto para os leitores como para mim.

Expliquei, como aliás já referira num texto anterior neste blog, que a cooperação em textos próprios tem sido escassa.  Não vou discutir as razões desta lacuna - a cada um a reflexão - mas se temos uma colaboração interessante em que acho por bem comentar, comento. Não vou dizer que comento TODOS os textos que são interessantes (ver afirmação acima), mas quando a pena pede para mergulhar na tinta, então deixo-a correr, livre.

Sim, aceito a crítica. Levanta-se-me uma pergunta: o emisor dessa crítica também dá o seu melhor? ou será que é mais fácil criticar do que pôr dedos a caminho, e tentar aventurar-se em terrenos escorregadios e pedregosos da partilha, em que nos sujeitamos a críticas de quem se limita a observar.

Este é um espaço aberto, como me dizia alguém, em que a partilha espontânea é soberana. 

Muitos de entre nós têm o dom da escrita, e muito conteúdo válido e maravilhoso a partilhar. Retraem-se... 
Muitos de entre nós dizem grandes verdades que passam despercebidas. Que pena ficarem na prisão da timidez e insegurança.
Muitos de entre nós gostariam de partilhar, mas as críticas espreitam e as certezas e confiança ainda não são bastantes para enfrentarem o embate...

Que pena tenho por ouvir críticas feitas à volta do umbigo e que não constroem. 
Que pena tenho por não haver críticas que nos fazem avançar, reflectir e mergulhar ainda mais fundo na Verdade que procuramos.

Peço perdão a todos os que lêem e não se sentem incluídos; peço perdão àqueles que lendo, se sentem de alguma forma atingidos pois não tenho o direito de julgar, ou melhor criticar. 

Peço perdão...


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Actividades em Dezembro




7 de Dezembro
-       19:00 – Aula do Curso de Iniciação ao Tarot – Grupo B


15 de Dezembro
-        14:30Meditação  seguida de
-       Apresentação e desenvolvimento do tema “Perdão ... é Amor” por Fernanda Bastos



22 de Dezembro
-        15:00 – Fecho das Actividades do Ano 2012
                   "Ao Encontro da Beleza: poesia, sons e pétalas mil cores"

  

Nota: o Centro estará encerrado de 24 de Dezembro 2012 a 6 de Janeiro 2013


Actividade permanente:
Hatha Yoga – 2ª às 18h 30 e 4ª às 19:00

sábado, 24 de novembro de 2012

Prece

(O Encoberto do Mestre Lima de Freitas)

            Senhor, a noite veio e a alma é vil.
            Tanta foi a tormenta e a vontade!
            Restam-nos, hoje, no silêncio hostil,
            O mar universal e a saudade.

                              Mas a chama, que a vida em nós criou,
                              Se ainda há vida, não é finda,
                              O frio morto em cinzas a ocultou:
                              A mão do vento pode erguê-la ainda.

                                                     Dá o sopro - ou desgraça ou ânsia -,
                                                     Com que a chama do esforço se remoça,
                                                     E outra vez conquistemos a Distância -
                                                     Do mar ou outra, mas que seja nossa!


In Mensagem,
Fernando Pessoa

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Homenagens




Em conversa, ontem, alguém expressou a sua incompreensão perante a injustiça que habitualmente vive entre nós. Contava uma refeição de caridade, em que muitos trabalharam, uns à sombra do sorriso do coração e fora das luzes da ribalta, outros ocupados em acariciar o seu próprio ego na boa consciência de bem falar, palavras sem eco nos actos. No fim, estes últimos receberam as homenagens. Injustas?

Pergunto-me se a melhor homenagem não foi prestada no silêncio do “despercebido” que fez pelo amor que sente. Haverá recompensa maior do que o olhar grato e silencioso de quem recebeu que fica impresso na memória? Não ficou o coração maior, mais luminoso? A homenagem dos homens preencheu as letras gordas, mas não será mais importante o que não lemos, que passa despercebido, nas letras pequeninas?

Os valores verdadeiros e profundos não necessitam do reconhecimento social, pois brilham por si mesmos no Tempo, deixando rastos como a Estrela de Belém e orientando outros que não buscam nos valores da terra, mas antes nos do Céu.

O Amor (palavra tão apregoada nos tempos que correm), é feito de alma e Raízes, no silêncio dos corações que se dão, no fluir do sangue da Vida oferecida à vida, não entra em saldo,  é caro, é feito de partes de nós mesmos.

Fica a homenagem aos que são Amor em silêncio e despercebidos. 

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Dissertando sobre a VIDA…. enquanto podemos !!

video


Muitas continuam a ser as definições da VIDA e sobre o modo como se originou…
Cientistas, filósofos, escritores e tantas e tantas figuras do pensamento têm marcado a sua passagem, por deixar para a história os seus registos quanto ao que pensam e como encaram ou encararam suas vidas.
Seus conceitos, suas reflexões, seus pensamentos estão amplamente divulgados e cabe agora a cada um procurar conhecê-los… se para tanto, isso for de alguma importância para a vida de cada um! A leitura é o exercício mais simples para chegarmos lá…e esta proposta é um convite para uma partilha de meros saberes…
Se vale a pena ler, a decisão cabe a cada um !

1 - Disseram alguns antigos:
Vítor Hugo: “ A vida já é curta, mas nós tornamo-la ainda mais curta, desperdiçando tempo.”
Voltaire: “Deus concedeu-nos o dom de viver, compete-nos a nós viver bem.”
Séneca:  “Apressa-te a viver bem e pensa que cada dia é, por si só, uma vida !”

2 - O que dizem hoje outros…
Laurinda Alves: "A condição essencial para avançar na vida é saber exactamente o que queremos e o que escolhemos. Podemos fazê-lo pela positiva ou, em caso de dúvida e porque nem sempre tudo é muito evidente, recusando certos caminhos. Por outras palavras, quando não sabemos exactamente o que queremos, devemos tentar perceber com a mesma exactidão aquilo que não queremos. Tudo o que não nos serve, portanto."
Eduardo Sá : "Há muita diferença entre temer a morte e amar a vida. Temer a morte deixa-nos em dívida com a vida. Torna-nos minúsculos. Compenetrados dos nossos papéis. Falsos e complicados. (...) Temer a morte deixa-nos levar pelas marés de todos os dias. Amar a vida desafia para as aproveitarmos nas rotas onde nos queremos ao leme."
Inês Pedrosa: “Não temos tempo para ler. Não temos tempo para consolar os inconsoláveis. Não temos tempo para conversar. Não temos tempo para amar. Temos demasiados interesses, demasiado trabalho, demasiadas reuniões, demasiados compromissos. Ou então compras para fazer. Substituímos o tempo pelos centros comerciais. Trocamo-lo por bugigangas, moedas, coisas que brilham. Enchemos o tempo para não olharmos no seu espelho. De repente, quando, por um minuto ou dois, paramos, não gostamos da imagem que essa paragem nos devolve - a imagem do que não soubemos ser, da vida que perdemos no meio das mil coisas que fizemos. Não há cirurgia estética que nos arranque de cima as pregas do tempo que gastámos em vez de vivermos."  
 Mário Zambujal : "Há uma pequenina coisa que é uma importante coisa: é a ausência das coisas negativas. Ao passo que as pessoas mais exigentes da vida precisam que lhes aconteça alguma coisa de muito bom para estarem felizes ou contentes; outras, que têm outra maneira de encarar a vida, estão bem sem que lhes aconteça coisa nenhuma. E isto já é uma forma de estarem livres para saborearem o lado melhor da vida."
Eduardo Prado Coelho: “A vida é sempre um contraponto entre o infinito de certos momentos e a finitude de um quotidiano."
Vania Toledo :” Eu não tenho idade. Tenho vida!”
  
3 - E lembrar uma história para a vida…
Um professor diante da sua turma de filosofia, sem dizer uma palavra, pegou num frasco grande e vazio de maionese e colocou-o em cima da secretária. Com os alunos a entreolharem-se, o professor começou a enchê-lo com bolas de golfe. A seguir perguntou aos estudantes se o frasco estava cheio.
 Todos estiveram de acordo em dizer que "sim".
O professor então pegou numa caixa de fósforos e vazou-os dentro do frasco de maionese. Os fósforos preencheram os espaços vazios entre as bolas de golfe.
O professor voltou a perguntar aos alunos se o frasco estava cheio, e eles voltaram solícitos a responder que "sim".
Logo, o professor pegou uma caixa de areia e vazou dentro do frasco. Obviamente que a areia encheu todos os espaços vazios e o professor voltou a questionar novamente se o frasco estava cheio, ao que os alunos responderam-lhe com um "agora sim" retumbante.
Com os alunos suspensos do que mais podia acontecer, viram o professor de seguida adicionar duas chávenas de café ao conteúdo do frasco, que assim preencheu todos os espaços vazios entre a areia.
Perante isso, os estudantes riram-se desconsertados nesta ocasião. Quando os risos terminaram, o professor seriamente comentou o que havia acontecido à vista de todos e disse:
“- Quero que percebam que este frasco representa a vida, sim a VIDA !
As bolas de golfe são as coisas importantes - a família, os filhos, a saúde, a alegria, os amigos, as coisas que vos apaixonam. São coisas que mesmo que perdêssemos tudo o resto, a nossa vida ainda estaria cheia.
Os fósforos são outras coisas importantes, como o trabalho, a casa, o carro, etc.
A areia é tudo o resto, são as pequenas coisas.
 Se primeiro colocamos a areia no frasco, não haverá espaço para os fósforos, nem para as bolas de golfe. O mesmo ocorre com a vida. Se gastamos todo o nosso tempo e energia nas coisas pequenas, nunca teremos lugar para as coisas que realmente são importantes. Presta atenção às coisas que realmente importam. Estabelece as tuas prioridades... e o resto é só areia."
 Um dos estudantes levantou a mão e perguntou: - Então, e o que representa o café? Perante a admiração da Turma, o professor sorriu e disse: - “Ainda bem que perguntas! Isso é só para lhes mostrar que, por mais ocupada que a vossa vida possa parecer, há sempre lugar para tomar um café com um amigo!!"


-  Posso pedir 2 cafés ?!



Armando Guedes